Resenha: O Demonologista de Andrew Pyper |Jorgiana Parise

Padrão

Antes de tudo, que gostaria de pedir desculpas por não estarmos postando nos últimos dias (principalmente eu), mas assim, a verdade é que eu deveria estar fazendo uma resenha pra faculdade e não para o blog, só que minha consciência ficou pesada e eu precisava muito me livrar desse peso pra me concentrar em teóricos linguistas novamente.

capa_demonologista

Qualquer pessoa que já tenha me ouvido falar sobre O Demonologista sabe que eu não gostei desse livro, que ele foi culpado por boa parte do flop da maratona de inverno desse ano, então eu finalmente vou explicar todo esse “ódio” por esse livro.

Se você estiver se perguntando, porque você comprou ele afinal? Foi por motivos de hype, eu estava louca por um livro da Darkside, e todo mundo começou a mostrar esse livro e falar um pouquinho da premissa, que é um professor universitário correndo para salvar a filha de uma espécie de sequestro comandado por demônios, então eu meio que criei muita expectativa e achei que era uma boa ideia e comprei! Me arrependi? Um pouco.

Basicamente os pontos positivos do livro são méritos da editora e não da historia em si, a premissa não foi nem aproveitada, o ritmo de leitura é maçante, e você só consegue acreditar que o personagem principal é um homem adulto, pai e professor no comecinho do livro,  depois do sequestro e das poucas cenas que realmente apavoram (coisas sutis, como portas que se abrem sozinhas)  você não consegue identificar David Ullmman como um adulto, ele parece um adolescente na maior parte do tempo, sem maturidade e sem rumo, ok a filha era o rumo dele, era, mas em diversos momentos você vê que a filha, que é uma pré-adolescente, é muito mais madura que ele, além de algumas coisas que acontecem e  não fazem o menor sentido para a historia!

Existe uma pequena tentativa abortada de romance, que nem deveria estar ali, que me irritou demais, porque reforça aquela ideia de que homem e mulher não podem ser amigos sem ter segundas intenções, como se esses dois personagens não pudessem nutrir carinho um pelo outro se não estivessem em uma relação amorosa, isso num livro que o foco deveria ser o relacionamento afetivo entre pai e filha, que foi muito mal aproveitado também, pois existe um diálogo entre David e a mãe da menina onde ela fala que eles “as vezes vivem em um mundo só deles, um lugar onde ela não consegue entrar”, mas isso não é mostrado uma vez sequer!

Por fim, achei um livro extremamente pretencioso, que te faz pensar que você vai ler uma puta historia de terror psicológico (peço desculpas pelo palavrão) misturado com o relacionamento fraternal entre esses dois personagens e não ocorre nem um, nem outro, David fica a maior parte do tempo confuso e sem fazer porcaria nenhuma, não se meche, não reage, e quando finalmente sai da inercia, simplesmente não faz sentido!

O Demonologista ganhou duas estrelas, e meu ódio durante a maratona!

É isso! Um beijo!

E mais uma vez, estamos tentando cumprir um cronograma, mas a vida é uma coisa complicada!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s